sexta-feira, 21 de novembro de 2008

- Boatos sobre a guerra civil - I

inventaram umas balas de material orgânico
se alimentam dum pó transgênico

e o pior é que os soldados se apegam a elas
colecionam
alimentam
e observam
todas coloridas
e rajadas de outras cores
se mexendo dentro do projétil

"estavam dormindo no tambor"
"nem deveriam ter saído..."
é o que disse o colecionador

quando as cápsulas explodem por dentro
se alojam e descarregam altas cargas de endorfinas
hormônios de "felicidade intensa"

o problema é esse:
foram feitas para satisfazer na marra
e chega uma hora em que as pessoas ficam tristes de tão feliz

é até um contra-senso
mas penso que mesmo os que querem ser baleados
desistem depois de um tempo

a idéia era combater a depressão epidêmica
carência endêmica
e qualquer forma de distorção da felicidade espraiada
pelas autoridades competentes

mas tudo bem
os soldados sisudos estão aí pra isso
acabar com qualquer foco de resistência
.
.
.
.
sorria

e ande sorrindo pelas ruas
ou alguma patrulha pode detectar seu chorinho manhoso
e te aplicar uma bela dose de felicidade no peito







Fred - 21/11/2008
Coleção Híbridos - Pós-humanos e Pré-espirituais

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Disco Nadador 2 - Peixe Cerebrado

.

observando mais uma vez
a cicatriz que me adorna a boca...


falou-me uma voz do passado:
"Que nasça a oportunidade dentro de suas trevas..."

assim começou o despertar
de um sono de uma vida inteira
que desmoronou para deixar sair de dentro de mim
uma vontade de evoluir e crescer que meu corpo não acompanha

sempre respirei água
e continuarei a respeitar essa exigência de minhas entranhas

e continuarei lutando pela minha sobrevivência
sempre buscando o alimento necessário à minha autonomia

respeitarei toda e qualquer forma de passividade completa
desde que não me cerque

pois que deste cardume dormente e bonito por natureza
que me deu o direito de nascer saudável
ofereço gratidão eterna
não longeva como escamas
mas perene como minha alma

agradeço humildemente meu Patrono
que me deu o direito de observar-praticar-aprender
instalou uma caixa de ferramentas das mais bacanas
atrás de meu olhos
de forma que eu nem preciso procurar

e agradeço a oportunidade
de distinguir os anzóis por detrás de ofertas fáceis
pelo prazer da saciedade que ofertam
que pagaria com minha liberdade e minhas energias
um prazer incerto

anzóis não me alimentam e ainda me ferem
puxando-me para cima na velocidade da ansiedade
em direção ao céu dos homens
abaixo do que eu quero






Fred - 17/11/2008
Coleção Híbridos - Pós-Humanos e Pré-Espirituais

domingo, 16 de novembro de 2008

- Quietude

depois que me injetaram
alguns neurônios domesticadores
extinguiram-se muitas dores

algumas delas e coceiras internas
tornaram-se constantes
até que se instalassem
pois caminharam-me errantes

as celulinhas em bandos
farejando meu cérebro?
ou dúvidas minhas
se investi certo?

me surpreende
a calma que me abate a fúria
e a própria cólera alheia

me surpreende
o amor que me acomete
onde outrora me faiscaria a raiva em centelha

me surpreende
sentir saudades
das fúrias de antes

financiei minha domesticação emocional
sob o pretexto de melhorar meus instintos

acabei com um extremo
no entanto, ainda vencido,
tento entender se o vazio que sinto
vem da vontade de poder explodir
ou de aprender a extingui-lo

Deus queira q'eu não O tenha atropelado
ou a mim mesmo!?

Ou será que meu financiado auto controle
deixou meu livre-arbítrio a esmo?

talvez nunca tenha sido livre na cólera
mas nunca o seja extirpando-me a fúria

reprimir não me parece controle
exigir melhora também é um tipo de cólera

enganar o espírito com o corpo
me parece fraudar a vitória
de vencer os vícios em aurora

pensando nisto sinto-me impelido a não me irritar
à propósito, os neurônios domesticadores
voltaram a funcionar




Fred - 12/10/2008
Coleção Híbridos - Pós-humanos e Pré-espirituais

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Jacaima 3



Jacaima 3

Você pára recostado a uma árvore, pés no chão, por algum tempo...
logo mais, os insetos explorarão seu corpo.

Você pára na sua melhor perspectiva para o palco, em frente a sua banda favorita...
e outros fãs preencherão o menor espaço à sua volta.

Deixe sua pele úmida ou suja por algumas horas...
e fungos formarão colônias em tua pele.

Deixe sua mente vazia por alguns momentos...
e o pessimismo, o desânimo e a alienação ficarão de prontidão
aguardando o puxão do vácuo de sua mente





mente cinza-preta
pensamentos cinzas em COLÔNIAS
introcolônias
neurocolônias
psicolônias
.
.
.
.
.
.
.
de alguma maneira
formas de vida COMPÕEM suas entranhas

pelo menos
enquanto perceberem quem está no comando.










Fred - 04/09/2008
Coleção Híbridos
Jacaima: língua tupi - cabeça negra

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Bárbaro

galeria de arte, exposição
pra formadores de opinião
muito vinho e champanhe
caros de roldão

[]
cubo de vidro, em metros, 3x3
3 pessoas incrustadas
com caretas na cara

dois jovens pintando
um desempregado engravatado
mais um cidadão meio coitado

tentando se esquivar
o braço esquerdo a escudar
um pedaço de muro pichado a fundear:
"é tudo nosso"
"nóis"
"revolucionar"
[]

"É bom de ver, criticar ou debater?"
"Nossa, adorei."
"Uma lástima, eu achei."

obra sem título
sem obra
mas fascínio

no cubo de vidro
a matéria-prima é você
mas antes de entender
a obra de arte é você

...

opinião é não ter opinião
pra escolher o lado que der escudo

nem é tão caro ser sofisticado nesse mundo
com sinfonia em CD de pano de fundo

ficou muito fácil obrar
investir em estilo
disfarçado de revolucionar







Fred - 01/10/2008
Coleção Delirium - Música

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

(SC)(AS)

O que dizer de nosso mundo?
É como perguntar sobre qualquer um dos mistérios da humanidade.
São tantas novidades tecno-algumas-coisas, bio-algumas-coisas, neuro-algumas-coisas.
Sem contar os pré, pós, neo-algumas-coisas.
Nomes que precisam ser inventados, porque as referências se acumulam,
se empilham.
No que chamo de
Signos Cumulativos (SC).

Poderia ser uma teoria nova, mas não é.
É somente um nome dado por uma perspectiva de vida.

Os SC são como um empilhado de representações.
Sendo que estas podem ser já filhas de outras representações.
A perder de vista essa paternidade e árvore genealógica.

Exemplo: Nossa!
Seu carro parece aquele outro, inspirado no anterior tal,
Brilhante como o cromo líquido,
Mas com detalhes que parecem aquela flor X
E aerodinâmica daquele animal aquático abissal
Enfim: o carro é percebido como um Animal Sígnico (AS)
Animal, porque ele te desperta emoções,
Tem vida,
Estabelece vínculo além do instrumental.

Suas possibilidades, enquanto humano limitado, se estendem,
Seu cérebro incorpora as coisas como se fizessem parte do corpo,
E muda como uma engrenagem que se sofistica.
E como você experimentará o mundo com novas possibilidades,
Adquiridas pelo seu poder de consumo,
Você mudou!

Assumimos o direito de fazermos e pensarmos o que quisermos,
Porém estamos nos adaptando às conseqüências dos nossos atos.
Como percebemos e experimentamos o mundo de formas cada vez mais...
Novas,
Percebemos como podemos ser diferentes de nós mesmos
Há algumas horas, dias ou meses atrás.

Ou seja,
Somos humanos
Comportando-nos como (AS)'s
Que se modificam ao contato mais ou menos profundo
Com os (SC)'s

A novidade?
Nenhuma.
Somente a velocidade dos processos mudou.
A agnosia aumentou
E os computadores nos ajudam a pensar
E os signos resumem as enciclopédias em alguns rabiscos

...

À beira de um rio, que já foi Tietê,
Quis ver um rio de forma diferente.
Coloquei meus óculos glandulares
Para ver as pessoas viciadas em suas emoções,
Com as cores que configurei pelo teclado,
Caminharem aglomeradas feito gigantescos
Sucos hormonais a desaguarem pelos prédios e repartições públicas
Em busca de trabalho honesto
Que lhes alimentam as mesmas emoções.







Fred - 17/08/2008
Coleção Híbridos - Pós-humanos/Pré-espirituais

domingo, 17 de agosto de 2008

Disco Nadador


A nave quando desceu
desceu de novo
ficou abaixo da luz
da pele do mar

em missão cerebral
implantar massa encefálica
no mundo do sal

cerebrou craca
cerebrou ostra
cerebrou mexilhão e concha

em missão cerebral
implantar massa encefálica
no mundo do sal

a nave depois subiu
e desceu de novo
se escondeu num sovaco de polvo
caiu de volta nas trevas
pra cerebrar as levas
do abissal, do sal, da hidrovia

deixou quem vive na terra pra evolucionar
cerebrou de um modo geral
quem fosse do mundo do sal
crustacear h'uma'nidade racial
uma novidade racial

cerebrou estrela
cerebrou ouriço
cerebrou pisci de toda crença
pra cerebrar alguma diferença

cerebrou de um modo geral
quem fosse do mundo do sal
crustacear h'uma'nidade racial
uma novidade racial





Fred - 01/08/2008
Coleção Híbridos
Música

terça-feira, 15 de julho de 2008

Piercing no fêmur

No leito da avenida, após instalar um piercing no fêmur:
* Machucou a perna?
- Não, vou fazer uma surpresa para minha namorada...
* Ah ta.

sorriso

- Onde desemboca essa aqui?
* Bem lá na frente, estrada para o mar.
- Obrigado... mas... e se eu seguir naquela viela dali?
* Retorno, centro.
- Ok, obrigado.

alguns passos mancados para o lado
entreolhares

* Só fica esperto com os ícones ali. Têm uns com 10, 20, 30 braços. Vacilou eles te pegam.
* Me roubaram uma pá de recordações. To tentando recuperar umas coisinhas da infância.
* Usa isso aqui, ó. Filtra bem.


óculos




Fred - 15/07/2008
Coleção Híbridos - Gotas Imagéticas

terça-feira, 27 de maio de 2008

Bons Ventos


Bons Ventos

Algumas vezes ouvi dizerem algo sobre "cabeça de vento".
Como um xingamento
para qualificar alguém distraído ou bobo.

Talvez seja, esse alguém,
uma pessoa que é levada ao sabor das massas.
Tipo de pessoa bem farta.
Da cultura geral que permeia, e muitas vezes baseia, quase que todas as nossas atitudes
e
pensamentos.

Mas há aqueles que são pilares em meio às ventanias culturais e trovoadas psicológicas.
Levados pelas forças magnéticas e fluxos incompreensíveis, ainda, dificilmente fazemos
resistência de verdade frente a estas tempestades.
Nos vemos diariamente incorporados.
Nessa, já duradoura, ventania modernosa. De ventos como pinceladas revoltosas.

Os citados pilares são aqueles que conseguem se fixar por teimosia,
ignorância ou
sabedoria.
Estes últimos param aonde querem e se fixam pelo tempo que for necessário ficar.
Seja lá o que for que os mantém firmes, com certeza não são seus corpos materiais
gravitados
aqui na terra.
Acredito que sejam suas "cabeças aeradas", que permitem que as ventanias passem,
ficando retidos os resíduos culturais que lhes interessem;
e que possuem pensamentos magnéticos
o suficiente para imantarem-se em algo no alto.

Tais processos independem de crenças específicas.
Dependem de quão longe tais pensamentos podem se agarrar.

...

Ventando o que for possível
nossa cabeça venta um destino
Feito fios tênues, firmes e longínquos
Podemos fixarmo-nos o mais distante que conseguirmos

Lançando-nos para pregarmo-nos em algum lugar perto das estrelas
ou algum lugar bem profundo nos céus de nossas cabeças



Fred - 02/05/2008
Coleção Supramulti

segunda-feira, 19 de maio de 2008

Totem.

Totem

Sim, o tratamento começa amanhã.
Fizeram uma foto sua bacana.
Ilustraram bem como você era.
Escreveram belamente sobre sua vida.
Logo, logo, tudo voltará a ser como antes.
Vão te trazer de volta em poucos dias.
Em alguns meses, estarás curado.
Nunca mais serás outro.

- Obrigado por tudo, viu?

Por nada...
Mas, tome cuidado!
As mídias estão aí.
E vai chover dentro da sua cabeça.
Esses totens aí, são como um guarda chuva...
Manja?
Eles sempre vão te lembrar de você mesmo!

...

Selecione ou adoeça memorizando.

...

Totem-se
E nunca mais você será outro.




Fred - 17/05/2008
Coleção Delirium

Nada.

Nada

seres fecais, eu exorcizo suas existências na água imunda que vos cerca
todos os trocinhos se protegiam com peles de tomate,
enquanto eram rechaçados pela chuva de irmãozinhos despencando do céu

que a água em vórtice se encarregue de levá-los, definitivamente, para a lama
que voltem ao pó de onde viestes e retornem, talvez, à minha carne
constituam minha pele ou as guloseimas naturais deste mundo cíclico

mas, acima de tudo, tornem-se poesia
para terem mais uma serventia nobre
que ñ ser expelido e indesejado
mal filho malgrado
pois necessito de ti

seres fecais q são motivo de chacota, de piada e todo tipo de anedota
orgulhai-vos de seus coliformes e mergulhem destemidos no ciclo da vida
q os aguarda nas garras dos fungos, dos vermes, das bactérias
que os tranformarão em belos nutrientes
assim como as pupas se fazem borboletas
e os homos tornam-se sapiens



Fred - 07/11/2005
Coleção Delirium

terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

INv - O Caolho Invisível

Leia abaixo.

INv - O Caolho Invisível

Imune aos predadores no deserto de icebergs

...

uma mancha a mais
nos azuis e brancos do gelo
uma mancha a mais
nas miras dos rifles
uma mancha mais
para os cães caçadores do gelo

à beira dos satélites
tentando escutar a peleja dos generais com os aliens

Varginha em pauta

...

:
:::
:::::
:::::::
:::::::::
::::::::::::
:::::::::::::::
::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::
::::::::__:::::::::::::::::
:::::::| .|::::::::::::::::
:::::/|__|\:::::::::::::::::
::::::/:::\::::::::::::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::






Fred - INv - 08/02/2008
Coleção Delirium
Recomendação: leia com bom humor.Hhhh